Dá EXCESSO de ATENÇÃO ao seu filho? Saiba aqui.

excesso de atenção

Queridos Pais,

ATENÇÃO! O assunto que se segue mata crianças, NÃO TENTE FAZER ISTO EM CASA!

Bom, permitam-me que partilhe, antes demais a definição da palavra ATENÇÃO:

a·ten·ção*
(latim attentio-onisaplicaçãoesforçocuidado)

substantivo feminino

1. Tensão de olharde ouvir e de ter concentração mental para compreender o que se passa.

2. Silêncio e consideração com que se ouve ou observa.

3. Acto de atender ou de se ocupar de. = CUIDADOZELO

4. Acto ou gesto educado ou gentil. (Mais usado no plural.) = CORTESIADELICADEZAURBANIDADE

5. Acto ou efeito de considerar algo ou alguém. = CONSIDERAÇÃO

6. Desconto ou ofertacomo prova ou sinal de amabilidade (ex.: fizemos-lhe uma pequena atenção como é cliente antigo).

interjeição

7. Expressão usada para pedir concentração ou cuidado em relação a algo. = CUIDADO

Isto porquê? Porque esta definição é realmente o que dá origem ao tema deste artigo. A atenção que despendemos com os nossos filhos é exactamente por causa deste CUIDADO, é um gesto educado, é o foco que damos àquela pessoa, ouvindo e olhando para tudo… CONSTANTEMENTE.
A grande questão da atenção, não é a atenção em si, é o que fazemos com ela e é este CONS-TAN-TE-MEN-TE e esta atenção SEM LIMITES que ESTRAGA TUDO.
Exemplos onde OS PAIS demonstram estar a dar atenção… EM EXCESSO? 
1. Quando num grupo de amigos, uma conversa não chega ao fim, porque a mãe decide dizer “ai olha ali já se levanta sozinha é tão engraçada!”, “desculpa, mas tens de ver isto, olha-me a última gracinha da Francisca!”, “Espera aí desculpa é que ela quer ir ali à cozinha”.
2. Quando falamos com a mãe, pai, avós… e ninguém ouve, porque estão de olhos postos no(s) filho(s).
3. Quando se pergunta frequentemente “estás bem? Tudo bem?” às crianças. Aqui, é o tal EXCESSO DE CUIDADO e preocupação: “quero saber se ela está bem, porque senão estiver eu farei o que posso para que esteja”.
4. Quando as conversas são interrompidas pelas crianças e os pais param tudo para as atender ou falar com elas.
5. Quando a partir do momento em que a criança chega, muda tudo, porque já não se consegue conversar, já não se consegue ver aquele programa na TV, já não se consegue descansar, já não se consegue fazer nada em casa.
6. Quando passamos o dia a olhar para os bebés e crianças, a falar com elas.
8. Quando adaptamos a casa às crianças e a sala fica cheia de brinquedos e tiramos as nossas plantas preferidas, molduras e decorações.
9. Quando dizemos “o tio vem cá para te ver”, “o pai cozinhou isto para ti”, quando é o jantar de todos.
10. Quando vamos no carro e vamos a olhar para trás, ou não as deixamos sozinhos lá atrás e vamos relaxadamente, com uma conversa de adultos, à frente.
11. Quando a criança emite um som e tudo olha e pergunta “O que foi, bebé? Quer colo? O que quer ela? Será isto?”
12. Quando se deixou de tirar fotos do casal e só se tira ao(s) filho(s).

13. Quando programam as suas vidas, considerando só ou muito as necessidades dos filhos.

 

14. Quando as crianças nem precisam de falar, basta fazer um som, para terem aquilo que os pais perceberam que eles querem.
15. Quando à mesa, a família parece não ter outro tema senão o dia daquela criança, como foi, que gracinhas fez, o que já come, as respostas que deu, etc.
Uma criança com excesso de atenção é uma criança que faz birras com frequência, que não faz birras quando tem a atenção que entende que precisa. É uma criança que tem dificuldade em brincar sozinha e que chama os pais constantemente PARA TUDO. PRECISAM que alguém olhe para elas, a fazer as tarefas mais simples, diz que não consegue para que alguém, vá lá fazer e ajudar. E não gostam quando os pais estão a olhar para outra coisa ou a dar ATENÇÃO a outra pessoa. Mete-se nas conversas. Chama por coisas que não têm importância. Chama a ATENÇÃO, normalmente, pelas piores razões, batendo, partindo objectos, gritando, chamando constantemente, etc.
Crianças com EXCESSO DE ATENÇÃO, são crianças com muito baixa auto-estima e auto-confiança, que se sentem muito nervosas quando não estão “debaixo das asas dos pais” e no seu ambiente, exactamente, porque sentem que a atenção está dispersa deles e não sabem como lidar com isso.
As crianças lidam muito mal com (o excesso de) atenção. Ficam loucos! Ficam perdidos sem ela e com ela.
 As crianças crescem NARCISISTAS. Acreditando que o mundo roda à sua volta. Se alimentamos esta ideia, dando a ideia e reagindo como se assim fosse, imaginem como crescerão: com uma ideia absolutamente irrealista acerca do mundo.
ATENÇÃO: nada de achar que quanto mais atenção derem, mais a criança se sente amada. Não! Não e Não! Isso não acontece! Antes pelo contrário. Isto contraria o que deve ser o AMOR: Amar é cuidar, amar não deve ser “estragar” com o excesso de cuidado e zelo! Este amor é um amor perigoso que prejudicará imenso o futuro destas crianças, o futuro dos vossos filhos.
Contem comigo, HOJE E SEMPRE. Esse é o meu trabalho, mais do que isso, a minha missão. Não hesite em contactar-me: http://me.carolinavalequaresma.com/sweet-dreams
Espero que tenham gostado. Partilhem e dêem-me o vosso feedback. As vossas opiniões e sugestões são muito importantes para mim e merecem todo o meu CUIDADO E ATENÇÃO. 🙂 
Beijinhos mil, abraços gigantes,
Carolina ♥
“atenção”, in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, https://www.priberam.pt/dlpo/aten%C3%A7%C3%A3o [consultado em 11-07-2018].

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s